8 Estabelecer uma Parceria Mundial para o Desenvolvimento

Nosso trabalho pelo Objetivo

Brasil

A diplomacia brasileira tem no multilateralismo comercial foco importante de trabalho, tanto na perspectiva de reforma do sistema internacional quanto na relevância que desempenha para impulsionar o desenvolvimento dos países mais pobres, visando ampliar os canais de participação das nações em desenvolvimento na reconfiguração da ordem econômica internacional. O Brasil vem participando ativamente, e de forma propositiva, para garantir o êxito da Rodada de Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC), que tem como objetivo central tornar o sistema multilateral do comércio mais justo e equilibrado, de forma a contribuir para a promoção do desenvolvimento socioeconômico.


Mundo

A formação de uma parceria global para o desenvolvimento é o compromisso estabelecido no oitavo Objetivo de Desenvolvimento do Milênio, voltado principalmente aos países com maior grau de desenvolvimento, históricos doadores no campo da cooperação internacional. Um dos principais indicadores – a relação entre a renda nacional bruta e o montante comprometido por eles com cooperação e assistência internacional – tem apresentado queda. De acordo com o Relatório dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 2013, esse valor vem sendo reduzido desde 2010, quando representava 0,32%, passando para 0,29% em 2012. Entretanto, países como o Brasil, a Turquia e os Emirados Árabes Unidos têm aumentado significativamente suas iniciativas de assistência e cooperação internacional.


Notícias

Figo e Nedved se juntam a Ronaldo e Zidane em Jogo Contra a Pobreza

Luís Figo e Pavel Nedved, além do lendário árbitro Pierluigi Collina, estão entre as mais recentes estrelas do futebol internacional que confirmaram presença no 9º Jogo Contra a Pobreza, no dia 13 de Dezembro.Liderados por Ronaldo e Zidane, a partida reun... Mais

-0.65 anos
até
o final de 2015

1990 2015
Metas para o Objetivo 8
  1. Avançar no desenvolvimento de um sistema comercial e financeiro aberto, baseado em regras, previsível e não discriminatório.
    • Sem indicadores
  2. Atender as necessidades especiais dos países menos desenvolvidos Inclui: um regime isento de direitos e não sujeito a quotas para as exportações dos países menos desenvolvidos; um programa reforçado de redução da dívida dos países pobres muito endividados (PPME) e anulação da dívida bilateral oficial; e uma ajuda pública para o desenvolvimento mais generosa aos países empenhados na luta contra a pobreza.
    • Sem indicadores
  3. Atender às necessidades especiais dos países sem acesso ao mar e dos pequenos Estados insulares em desenvolvimento (mediante o Programa de Ação para o Desenvolvimento Sustentável dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento e as conclusões da vigésima segunda sessão extraordinária da Assembléia Geral).
    • Sem indicadores
  4. Tratar globalmente o problema da dívida dos países em desenvolvimento, mediante medidas nacionais e internacionais de modo a tornar a sua dívida sustentável a longo prazo.
    • Ajuda Pública para o Desenvolvimento
    • Ajuda pública para o Desenvolvimento (APD) líquida como porcentagem da renda nacional bruta dos países doadores membros da OCDE/Comitê de Ajuda ao Desenvolvimento (objetivos de 0,7% no total e 0,15% para os PMA).
    • Proporção da Ajuda Pública para o Desenvolvimento bilateral, para setores específicos dos doadores da OCDE para serviços sociais básicos (educação básica, cuidados de saúde primários, nutrição, água salubre e saneamento).
    • Proporção da Ajuda Pública para o Desenvolvimento dos doadores da OCDE que não está vinculada.
    • Ajuda Pública para o Desenvolvimento dos doadores da OCDE aos países sem acesso ao mar como proporção da Renda Nacional Bruta destes.
    • Ajuda Pública para o Desenvolvimento dos doadores da OCDE aos pequenos estados insulares em vias de desenvolvimento como proporção da Renda Nacional Bruta destes.
    • Acesso aos Mercados
    • Proporção do total das importações dos paises desenvolvidos (por valor e excluindo armas) provenientes de países em desenvolvimento e países menos desenvolvidos, admitidas sem pagamento de direitos alfandegários.
    • Tarifas médias de importação impostas aos produtos agrícolas, têxteis e vestuários dos países em vias de desenvolvimento.
    • Apoios agrícolas estimados para países da OCDE, como porcentagem de seus PIBs.
    • Proporção da Ajuda Pública para o Desenvolvimento outorgada para reforçar as capacidades comerciais.
    • Sustentabilidade da dívida
    • Número cumulativo de países que tenham atingido pontos de decisão e de cumprimento da Iniciativa a favor dos Países Pobres Muito endividados.
    • Dívida oficial perdoada como resultado da iniciativa Países Pobres Muito Endividados, em milhões de dólares
    • Serviço da dívida como percentagem das exportações de bens e serviços.
  5. Em cooperação com os países em desenvolvimento, formular e executar estratégias que permitam que os jovens obtenham um trabalho digno e produtivo.
    • Taxa de desemprego na faixa etária entre 15 e 24 anos, por sexo e total.
  6. Em cooperação com as empresas farmacêuticas, proporcionar o acesso a medicamentos essenciais a preços acessíveis, nos países em vias de desenvolvimento.
    • Proporção da população com acesso a medicamentos essenciais a preços acessíveis, numa base sustentável.
  7. Em cooperação com o setor privado, tornar acessíveis os benefícios das novas tecnologias, em especial das tecnologias de informação e de comunicações.
    • Linhas telefônicas e assinaturas de celulares por 100 habitantes
    • Computadores pessoais por 100 habitantes