Carros elétricos da Casa da ONU registram redução de quase 2,6 toneladas em emissões de gás carbônico em menos de um ano

Os automóveis utilizados por PNUD e ONU Mulheres apresentam as melhores médias de desempenho das experiências brasileiras do Projeto Mob-i.

15 Fevereiro 2016

do PNUD

Em Brasília, dois carros elétricos chamam a atenção pelas ruas. Levam as cores da bandeira das Nações Unidas em adesivos que destacam a parceria entre ONU, Itaipu Binacional e o centro de engenheria português CEiiA. Os dois Renault Zoe, batizados de Mob-i ONU, são parte de uma pesquisa da Itaipu sobre o desempenho de carros elétricos no contexto de novas soluções de mobilidade sustentável. Ambos fecharam o ano de 2015 com resultados positivos nos aspectos econômico e ambiental. Em circulação desde março do ano passado, os veículos têm demonstrado ser modelo de mobilidade sustentável.

Segundo o engenheiro do CEiiA responsável pelo monitoramento das experiências do Projeto Mob-i no Brasil, Tomé da Costa, os carros do PNUD e da ONU Mulheres apresentaram os melhores resultados dentre os projetos atualmente em execução. “As médias dos carros da ONU são as melhores de todos os projetos no Brasil. O indicador que temos é de 16,5 kWh para cada 100km rodados”, destaca.

Sustentáveis – mais de 2.560 kg de gás carbônico deixaram de ir para a atmosfera – eles possibilitam também economia notável. No caso dos automóveis cedidos em comodato ao PNUD e à ONU Mulheres, a economia foi de 4 mil reais, equivalentes a mais que 1000l de gasolina em apenas 11 meses.

Com pintura personalizada, os carros, desde que chegaram, tornaram-se indispensáveis para os funcionários do PNUD Brasil e da ONU Mulheres. Silenciosos e leves, conquistaram também os motoristas que os conduzem pela cidade.

“O carro é muito ágil. Depois dos 60km/h, ele desenvolve com muita agilidade, sendo comparado a um carro 1.4 por exemplo”, diz Erick de Carvalho, motorista do PNUD, sem esconder sua simpatia pelo carro e sua surpresa quanto ao desempenho da máquina.

Os carros ainda possuem pneus resistentes que continuam a rodar mesmo quando furados, não demandam óleo nos motores e possuem mecanismo de recarga da bateria quando os freios são acionados. Segundo Erick, “na estrada de Goiânia para Brasília, numa descida de aproximadamente 2km, esse mecanismo, aproveitando a ação do freio-motor, recarregou uma carga suficiente para o carro andar 11km”.

A autonomia dos carros fica em torno de 120km, o que ainda os exclui como alternativa para viagens mais longas, uma vez que, no Brasil, ainda não se tem uma oferta significativa de postos para abastecimento de carros elétricos.
Energia - Desenvolvimento Sustentável - Meio Ambiente