Nações Unidas aderem a Programa de Mobilidade Inteligente de Itaipu

Dois modelos elétricos da hidrelétrica binacional foram entregues nesta quarta-feira (25) ao PNUD e à ONU Mulheres.

25 Março 2015

do PNUD, com informações da Itaipu

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) participará e apoiará o Mob-i, programa de mobilidade inteligente desenvolvido pela Itaipu em parceria com a empresa portuguesa CeiiA - Centro de Excelência da Indústria da Mobilidade. Trata-se do Mob-i ONU, projeto piloto que atenderá ao PNUD e à ONU Mulheres. Na tarde desta quarta-feira (25/03), a Itaipu Binacional entregou dois veículos elétricos, modelo Renault Zoe, para as Nações Unidas, na Casa da ONU, em Brasília.

A solenidade contou com a participação do coordenador residente do Sistema das Nações Unidas no Brasil e representante residente do PNUD, Jorge Chediek, e da diretora financeira de Itaipu e coordenadora do projeto de mobilidade inteligente, Margaret Groff, além de representantes de outros parceiros do projeto.

Lançado em junho de 2014, o Mob-i reúne os projetos-piloto Ecoelétrico, em Curitiba, primeira cidade a receber o programa; o Eletromóvel, também em Brasília; o Mob-i Itaipu Foz, na Usina de Itaipu; e, agora, o Mob-i ONU. 

A ONU tem interesse no Mob-i porque o programa contribui para a redução da emissão de gases poluentes e incentiva a pesquisa e o uso de energias renováveis. Integram a parceria a Renault do Brasil, a Fundação Parque Tecnológico Itaipu (FPTI) e o CeiiA.

“A iniciativa da Itaipu está alinhada à missão institucional das Nações Unidas, que busca o desenvolvimento sustentável. A parceria trará resultados positivos para ambas as instituições. Para o PNUD, em especial, a associação com o Mob-i demonstrará seu compromisso com o desenvolvimento de tecnologias inovadoras que reduzam a emissão de gás de efeito estufa e utilizem recursos renováveis. Agradecemos a Itaipu pela promoção de inovações que ajudam o mundo a se tornar mais sustentável”, afirma Jorge Chediek.

O Mob-i utiliza a plataforma Mob-me, sistema desenvolvido pelo CeiiA, que permite o monitoramento online, com a atualização de indicadores de energia elétrica consumida, número de viagens e distâncias percorridas, entre outras informações. O monitoramento inclui o cálculo dos gases de efeito estufa que deixam de ser lançados na atmosfera, principalmente o CO2, já que os veículos elétricos não provocam poluição do ar e nem sonora, pois o motor é silencioso.
Cerimônia de entrega
Representantes do pnud,  ONU Mulheres, Itaipu, CEiiA e Renault participam da cerimônia de entrega do Mob-i ONU. Foto: Bárbara de Oliveira/PNUD Brasil.

“A plataforma é constituída por dois níveis de frente. A primeira fase é o monitoramento em tempo real de vários veículos, equipamentos associados à mobilidade inteligente. Com esse monitoramento fazemos uma coleta de dados. Depois em uma segunda fase pegamos essa coleta de dados e os indicadores de análise nos permite tomar decisões muito interessantes de forma muito objetiva e muito clara, comunicando quais são as principais vantagens da mobilidade inteligente”, explica Tomé Costa, engenheiro elétrico da CeiiA. “Na semana passada concluímos a marca de 64 mil km, o que significa que já demos uma volta ao mundo”, complementa Costa.

Em um balanço de quatro meses, aplicado nos 14 veículos que utilizam a mesma tecnologia, já foi possível deixar de emitir 4,2 toneladas de CO2. Isso equivale ao nível de CO2 sequestrado por 30 árvores da Amazônia, além de uma economia de 20 barris de petróleo, ou R$ 6.800.

Para a diretora financeira executiva da Itaipu, Margaret Groff, que coordena o projeto, o reconhecimento internacional mostra que as ações de Itaipu nas áreas de sustentabilidade, inovação e meio ambiente estão no caminho certo e poderão servir de referência, no futuro próximo, para a formulação de políticas públicas que melhorem a vida nas cidades com o desenvolvimento de novas tecnologias para a mobilidade urbana.

“Para nós de Itaipu juntamente com a Renault, como desenvolvedores de tecnologia, é muito importante as respostas tecnológicas tanto do veículo quanto dos eletropostos. Hoje todas as empresas estão preocupadas em diminuir as emissões de carbono, então é muito importante que nós consigamos medir quanto de carbono deixa de ser emitido na atmosfera, quando se substitui um carro convencional por um carro elétrico”, explica Margaret Groff.

Desde dezembro de 2014, o PNUD e a Itaipu iniciaram as tratativas para assinar um termo de cooperação técnica para colaborar no programa de mobilidade Mob-i. A iniciativa da hidrelétrica binacional está alinhada à missão institucional do PNUD, que busca o desenvolvimento sustentável. O PNUD e a ONU Mulheres, a partir deste 25 de março, passam a contribuir, portanto, de maneira concreta, para a redução de CO2  na atmosfera,  para um planeta sustentável  e um futuro mais promissor.
Energia - ONU - Desenvolvimento Sustentável - Socioambiental - Meio Ambiente