Iniciativa brasileira é uma das vencedoras do Prêmio Equatorial 2012

Articulação Pacari de Plantas Medicinais é reconhecida internacionalmente entre os 25 vencedores do Prêmio

30 Março 2012

do PNUD

Uma iniciativa brasileira figura entre os 25 vencedores do Prêmio Equatorial 2012, que reconhece comunidades do mundo inteiro que contribuem para a conservação do meio ambiente e o desenvolvimento sustentável. A Articulação Pacari de Plantas Medicinais é formada por grupos comunitários que trabalham com plantas medicinais do Cerrado nos Estados de Minas Gerais, Tocantins, Maranhão e Goiás.

Os premiados, selecionados entre 812 inscritos de 113 países, foram anunciados esta semana pela Iniciativa Equatorial. Os prêmios serão entregues durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, em junho, no Rio de Janeiro. Os vencedores receberão um prêmio em dinheiro (15 receberão US$ 5 mil cada e 10 receberão US$ 20 mil cada, como reconhecimento especial) e participarão da “Cúpula dos Povos”, evento que acontecerá em paralelo à conferência.

A Articulação Pacari é constituída por 47 organizações comunitárias – entre as quais comunidades quilombolas, grupos de mulheres e assentados da reforma agrária - e atende cerca de 3 mil famílias por mês. Dois projetos desenvolvidos pela rede são destaque: a produção de óleos vegetais de plantas do Cerrado para a elaboração de cosméticos e o livro Farmacopeia Popular do Cerrado, produzido com suporte do Programa de Pequenos Projetos Ecossociais, que conta com apoio do PNUD, e financiamento do GEF (Fundo Global para o Meio Ambiente, na sigla em inglês).

Jaqueline Evangelista Dias, coordenadora técnica da Articulação Pacari, disse que recebeu a notícia da premiação com surpresa e muita alegria. “Não sabíamos da dimensão desse prêmio, e ao saber que estávamos concorrendo com mais de 800 experiências, ficamos ainda mais felizes”, conta. Ela acredita que o prêmio irá garantir mais visibilidade para a rede e para o trabalho que executa, o que pode ajudar na construção de um marco legal para a medicina tradicional desenvolvida no Brasil. “Temos que mostrar que este trabalho existe, é importante e está salvaguardando tanto a prática da medicina tradicional como o uso da biodiversidade”, destaca Jaqueline.

A Administradora do PNUD, Helen Clark, explicou que, ao expandir a elegibilidade para todos os países que recebem apoio do organismo, a ideia era tornar o prêmio verdadeiramente global. “A resposta esmagadora de 113 países em 13 idiomas nos diz que existe um mundo lá fora de inovação baseada na comunidade, e que a demanda por um futuro melhor transcende as fronteiras”, disse Helen.

“Esses esforços da comunidade são heroicos e inspiradores. E é sobre isso que o Prêmio Equatorial diz respeito – chamar a atenção para os homens e mulheres nas linhas de frente do desenvolvimento sustentável. No PNUD, nós estamos extremamente orgulhosos por liderar esta iniciativa e dar às comunidades uma voz”, disse Helen.

Muitas das questões fundamentais a serem discutidas na Conferência Rio+20 estão representadas no conjunto de vencedores: segurança alimentar, emprego sustentável, acesso à água doce, energia sustentável, oceanos, entre outros. A Iniciativa Equatorial é uma parceria que reúne a ONU, governos, sociedade civil, empresas e organizações de base para investir em soluções locais de desenvolvimento sustentável para tornar a sociedade, a natureza e as comunidades resilientes.

Desenvolvimento Sustentável