PNUD divulga na 2ª novo estudo e IDH

Relatório de Desenvolvimento Humano vai abordar influência da migração no progresso dos países de origem e destino de migrantes

30 Setembro 2009

Reprodução

da PrimaPagina

O PNUD lança, na próxima segunda-feira (5 de outubro), sua principal publicação anual, o RDH (Relatório de Desenvolvimento Humano), que aborda um tema em profundidade e traz novos números do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). O assunto deste ano é migração — como o fluxo de pessoas entre países e dentro dos países afeta o desenvolvimento.

Intitulado “Ultrapassar barreiras: mobilidade e desenvolvimento humanos”, o relatório defende que a migração tem potencial para melhorar a vida dos que se deslocam, dos que ficam e também das comunidades que recebem migrantes. No entanto, reconhece o texto, na prática muitas vezes o resultado é adverso para quem deixou seu local de origem.

A publicação defende que o ser humano deve ter liberdade para se deslocar. “O movimento de pessoas é um fator crucial para ampliar as liberdades e oportunidades (em termos de trabalho, educação, direitos políticos, segurança e saúde)”, afirma um texto de apresentação do relatório. “As evidências mostram claramente que reduzir os obstáculos ao movimento e melhorar as políticas para os migrantes tem enormes benefícios potenciais para o desenvolvimento humano, os quais favoreceriam todos os grupos afetados pela migração”.

Para isso, dirá o informe do PNUD, é preciso aprimorar políticas e instituições em nível nacional, regional e internacional. “Políticas nacionais e locais têm um papel essencial em assegurar bons resultados de desenvolvimento humano tanto para os que optam por se mudar para melhorar sua situação quanto para os que foram forçados a se deslocar em razão de conflitos, degradação ambiental ou outras causas.”

O relatório trará o IDH calculado com base em indicadores de 2007 — que não captam, portanto, a fase mais aguda da crise econômica, de 2008 e 2009. O índice, que abrange renda, educação e longevidade, foi calculado para um número recorde de países: 182.